Eminem, em música, diz que se arrepende do aborto

Eminem, em música, diz que se arrepende do aborto

Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As informações são do site Sempre Familia.

Uma relação casual, uma gravidez não planejada e o aborto assombram o rapper que desabafou atráves da música

O rapper Eminem resolveu contar uma história sobre aborto e arrependimento em seu novo álbum, Revival, lançado no dia 15 de dezembro. Em River, que conta com a participação de Ed Sheeran, o rapper reconhece nitidamente a dignidade do nascituro. A faixa não atraiu a atenção da crítica, mas está entre as de maior sucesso do álbum, alcançando o top 3 das mais tocadas na Austrália, na Bélgica, no Canadá, no Reino Unido, na Alemanha e em outros sete países.

Em uma narrativa dramática, o narrador da música lamenta ter engravidado sua parceira em uma relação casual e inicialmente justifica o aborto: “Detergente e alvejante queimam a ferida/Porque agora com ela no útero/Não podemos trazê-la a este mundo, deveria ter/Usado proteção antes de morder seu fruto proibido”, diz a música.

Em seguida, o narrador demonstra arrependimento pelo aborto e se refere à criança abortada, que supõe ser uma menina, como “bebê” e “criança” – termos evitados por defensores do aborto.

“Não consigo manter minhas mentiras/Mas eu fiz você abortar meu bebê/Este triângulo amoroso nos deixou em um desastre enrolado/O que mais posso dizer? Foi divertido por um momento/Aposto que eu realmente amaria o seu sorriso/Eu realmente não queria abortar/Mas f*da-se, o que é mais uma mentira para contar a uma criança nascitura?”, diz a música.

O refrão, cantado por Sheeran, sublinha o arrependimento do narrador por ter se aproveitado da parceira – ele se denomina um “viciado em sexo” no início da música – e pelo aborto: “Eu tenho sido um mentiroso, um ladrão/Um amante, um traidor/Todos os meus pecados precisam de água benta, eu a sinto me lavando”.

Eminem e Sheeran concluem o refrão se dirigindo à bebê abortada: “Oh, pequena/Me desculpe/Eu não quero admitir/Ferrei com tudo/Se tudo o que isso vai causar é dor/A verdade e as minhas mentiras agora caem como a chuva/Então deixe o rio correr”.

Confira a música:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *