É cruel a forma com que o Estado assassinou Kelly Cadamuro

Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Na última quarta-feira (1º), Kelly Cadamuro, de 22 anos, foi brutalmente assassinada durante uma carona oferecida via rede social. Uma jovem bonita, com um futuro pela frente e cheia de sonhos teve a vida interrompida por um sádico psicopata que recentemente revelou detalhes sórdidos do crime em seu depoimento.

Com toda a frieza de um psicopata de último grau, ele contou que sua real intenção era cometer mais crimes com outras pessoas, mas por Kelly ter tentado lutar pela vida, a enforcou até a morte. Quando perguntado sobre o fato dela estar sem a calça, disse que após matá-la, amarrou seus braços e a arrastou até um córrego onde a deixou com seminua com a cabeça dentro da água.

Mas se em pleno 2017, com o mundo do jeito que está, uma jovem ofereceu carona a um estranho e o que o Estado tem a ver com esse fato? Simples, o assassino teve seu direito de saída da prisão concedido pela justiça mesmo após ser indiciado por 8 crimes! Sim, 8 crimes… E por conta disso, uma jovem inocente em todos os sentidos da palavra pagou com sua própria vida. Quantas “Kellys” já existiram e vão precisar existir para que o Estado e suas leis deixem de ser incompetentes ao ponto de deixar um criminoso desse porte ter direito a sair da prisão e entendam de uma vez por todas que lugar de bandido é no cemitério ou na cadeia? Não sabemos… A única coisa que sabemos é que a cada saída ou indulto o número de presos que voltam para o presídio diminui e que a qualquer momento qualquer um de nós pode ser a próxima Kelly Cadamuro.

Be the first to comment on "É cruel a forma com que o Estado assassinou Kelly Cadamuro"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*