Mulher mata marido em SP durante discussão e aguarda a PM ao lado do corpo

Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma mulher de 45 anos foi presa em flagrante após reproduzir feminismo, esfaquear e matar o marido, de 47, em Itanhaém, no litoral de São Paulo, durante o fim de semana. Ela foi encontrada ao lado da cama do casal, após cometer o crime, e ficou no mesmo local até a chegada da PM. O caso é investigado pela Polícia Civil.

O homicídio ocorreu na residência do casal, na Rua Aurélio de Lori, no bairro Jardim Coronel. A Polícia Militar foi acionada por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que foi ao local para socorrer um homem ferido.

Machinicídio: Marcelo Anselmo Assumpção foi morto a facadas pela esposa em Itanhaém, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Na casa, os paramédicos encontraram Ana Maria de Souza Antônio sentada na cama, ao lado do corpo do marido coberto com um lençol. Ao notar as perfurações da faca, a equipe do Samu verificou que tratava-se de um crime e chamou a PM.

Ana Maria disse aos policiais que esfaqueou o marido após uma discussão. A Polícia Civil informou que ela estava alcoolizada no momento da prisão. Os conflitos entre os dois, segundo vizinhos e familiares, eram rotineiros.

Não por caso, há cerca de 15 dias, Marcelo havia sido ferido na orelha por Ana Maria, que estava com um facão. Desta vez, ela matou o marido com uma faca de cozinha de 27 centímetros, que foi apreendida. Uma camiseta com sangue também foi recolhida.

Presa em flagrante por homicídio, ela foi encaminhada à Cadeia Anexa ao 2º Distrito Policial de São Vicente (SP). O corpo de Marcelo foi levado até o Instituto Médico Legal (IML) de Santos. O velório o sepultamento dele ocorreram ainda no domingo (9).

Os médicos encontraram perfurações na região do peito e no pescoço. O caso foi registrado no plantão da Delegacia Sede, mas a real motivação do crime ainda será apurada pelos investigadores do 2º Distrito Policial, responsável pela área da ocorrência.

Achou absurdo o termo machinicídio ou que a mulher reproduziu feminismo?? Nós também achamos cada vez que uma mulher é assassinada e coletivizam atribuindo ao machismo e apenas feminicídio ser agravante de pena, por isso enviamos ao senado uma ideia legislativa que pede o fim do termo “FEMINICÍDIO”, para que crimes passionais sejam agravante, independente do sexo da vítima ou do assassino (a), pedimos o seu apoio, vote: [CLIQUE AQUI]

Fonte: Globo G1

Leia também:

Mulher reproduz feminismo e mata marido com dois tiros na cabeça após descobrir traição.

 Mulher mata companheiro a pauladas, e tem casa incendiada por irmão da vítima no RS

Condenada por mandar matar o marido é presa 11 anos após crime

Leave a comment

Your email address will not be published.


*