Mulher reproduz feminismo e mata marido com dois tiros na cabeça após descobrir traição.

O crime ocorreu na noite de terça-feira,, na Rua Cristais Paulistas, no bairro Nova Conquista (Foto: Raquel Miranda)
Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Segundo vizinhos do casal, Ângela Priscila Melo fugiu após reproduzir feminismo e matar o industriário Rodrigo Pereira da Silva

Manaus – Após descobrir traição, a mulher do industriário Rodrigo Pereira da Silva, 22, Ângela Priscila Melo foi apontada, por vizinhos, como a principal suspeita de matar, com dois tiros, o marido. O crime ocorreu na noite de terça-feira (8), na Rua Cristais Paulistas, no bairro Nova Conquista, zona leste de Manaus.

Segundo informações da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), os disparos atingiram a cabeça de Rodrigo, que segundo registros do Instituto Médico Legal (IML), morreu com traumatismo craniano.

MACHINICÍDIO: O crime ocorreu na noite de terça-feira, na Rua Cristais Paulistas, no bairro Nova Conquista (Foto: Raquel Miranda)

Os vizinhos informaram que, durante uma discussão, Priscila pegou arma de um traficante da área, que estava sendo guardada por Rodrigo dentro de casa. “Ela descobriu que ele a traiu e o matou”, disse uma testemunha que preferiu não se identificar.

Rodrigo morreu no chão do quarto da casa onde morava com a mulher, a avó de Priscila e a filha da suspeita, de 4 anos. Conforme relato dos moradores, que não revelaram as identidades, a mulher fugiu logo após o crime, por volta das 19h30 de ontem.

“Ela era muito tranquila, não gostava de festas, não bebia, nem fumava. Eu realmente não sei, não posso dizer se foi ela, até porque tinha só uns quatro meses que eles moravam aqui”, disse outra vizinha do casal.

A equipe de reportagem foi até a casa de Priscila, mas a única porta que dá acesso ao local estava trancada pelo lado de fora, com correntes e cadeado.

A família de Rodrigo também não foi encontrada para comentar sobre o assassinato.

O crime será investigado pela DEHS.

Achou absurdo o termo machinicídio ou que a mulher reproduziu feminismo?? Nós também achamos cada vez que uma mulher é assassinada e coletivizam atribuindo ao machismo e apenas feminicídio ser agravante de pena, por isso enviamos ao senado uma ideia legislativa que pede o fim do termo “FEMINICÍDIO”, para que crimes passionais sejam agravante, independente do sexo da vítima ou do assassino (a), pedimos o seu apoio, vote: [CLIQUE AQUI]

Fonte: D24AM

Leia Também:

 

1 Comment on "Mulher reproduz feminismo e mata marido com dois tiros na cabeça após descobrir traição."

  1. Kkkkkkk.
    Ué cada um reage diferente a uma traição. Nada a ver atribuir nomes a um caso que não se encaixam. Isso foi homicídio e se um cara mata uma mulher pelo mesmo motivo, e homicídio tbm, fim. Deixa de frescura

Leave a comment

Your email address will not be published.


*