10 anos depois de ser condenado, homem chora após mulher confessar que mentiu estupro.

Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um homem que havia sido condenado por sequestro e estupro há 10 anos foi inocentado, depois de a suposta vítima admitir que não houve crime, em Long Beach, na Califórnia. Brian Banks, 26 anos, tinha 17 anos e era uma estrela de futebol americano em potencial quando outra estudante, Wanetta Gibson, fez as acusações contra ele. Banks chorou na audiência e emocionou a advogada de defesa Alissa Bjerkhoel quando o promotor reconheceu o caso e pediu sua anulação.

Em 2002, Brian Banks defendeu sua inocência e disse que o contato sexual com Wanetta Gibson havia sido consensual. Porém, o advogado que o defendeu na época instruiu o rapaz a confessar o crime e fazer um acordo para evitar o risco de ser condenado a uma pena que poderia ir de 41 anos de reclusão à prisão perpétua. Banks seguiu a instrução da defesa e ficou preso por seis anos.

O homem ganhou direito à liberdade condicional e passou os últimos anos sob monitoramento eletrônico, além de ter o nome incluído no registro nacional de criminosos sexuais. Quando ele já havia deixado a prisão, Wanetta Gibson adicionou Banks como amigo no Facebook – ela disse que queria “esquecer o passado”.

Leia Também: Projeto quer transformar falsas acusações dolosas de estupro um crime hediondo

Gibson disse ao homem que havia mentido, que não havia ocorrido sequestro ou estupro, e se ofereceu para ajudá-lo a limpar seu histórico policial. Mas em seguida a mulher desistiu de repetir a história aos promotores, já que temia ter que devolver US$ 1,5 milhão que havia ganhado em um processo movido pela mãe dela contra as escolas de Long Beach. “Eu quero continuar ajudando você, mas ao mesmo tempo todo aquele dinheiro que nos deram – quer dizer, me deram -, eu não quero ter que devolvê-lo”, disse Wanetta Gibson a Brian Banks.

O advogado Justin Brooks, que lidera o California Innocence Project para anular condenações equivocadas, disse que Banks teve dificuldade para conseguir emprego após ter ficado seis anos preso por crimes que não cometeu. Segundo o advogado, Brian Banks continua treinando para se tornar jogador de futebol americano.

Um dos admin da página Moça, não sou obrigada a ser feminista, Rafael Zucco (leia mais sobre o projeto aqui), enviou um projeto de lei que torna falsas acusações dolosas de estupro um crime hediondo e alcançou 21 mil apoios, agora a matéria está em consulta popular e já tramita no senado, você pode votar se é a favor ou contra o projeto de lei [VOTE AQUI].

 

Leia Também:

Fonte da notícia: R7 (24/05/2012)

21 Comments on "10 anos depois de ser condenado, homem chora após mulher confessar que mentiu estupro."

  1. dulcec carpenter | 23 de maio de 2017 at 23:24 | Responder

    Olha sou contra estas leis porque tem mulheres que fazemjustamente isto prendem homens inocentes e depois de estarem registrados os casos os delegados nao tiram eo homem fica registrado por toda vida e um horror para a familia e para o homen estraga vida

    • Vc é burro? A lei é pra punir a mulher que mente!

      • Você acha que depois de caluniar vai desmentir e sabendo que a punição será pesada? É claro que essa lei só vai aumentar é piorar e não intimidar, porque é a palavra dela contra a dele.

        O que deveria mudar é a lei sobre estupro. Não se pode condenar alguém simplesmente pela acusação da vítima, mas somente com provas cabais e incontestáveis. Caso contrário, em dúvida pro réu.

      • Cara, deixe de ser imbecil. Se a pessoa não entendeu, haja como se fosse um homem de verdade e a ajude a entender.
        Deveria ter lei contra essa estupidez também.

  2. MAYCON DA SILVA PASSOS | 24 de maio de 2017 at 13:42 | Responder

    SEM DIVIDAS QUE ERROS DEVEM SER PUNIDOS COM RIGOR SEJA PARA O CRIMINOSO ESTUPRADOR OU PARA FALSA COMUNICAÇÃO DE CRIME DE ESTUPRO TOTALMENTE A FAVOR.

  3. A mulher que iventar​ uma história dessa , se provado tem que pegar pena rigorosa sem massagem .

  4. VAGABUNDA LIXO. DEVIA PASSAR O TRIPLO DA SENTENÇA DELE NA CADEIA E MASCULINA

  5. A pena para o estuprador e para a denunciante caluniadora deve ser a mesma, pois quem acusa de estupro acaba com a vida do homem, não há como resgatar o tempo, a dignidade da pessoa humana, os laços com familiares que se rompem, ele sempre será visto por algumas pessoas como estuprador, a vida do acusado nunca será a mesma; é preciso rigor na punição!

  6. Ler, assistir ao vídeo, assinar a petição e partilhar, pois o posicionamento é fundamental. Todos que são contra a crueldade do crime de estupro e de falsa acusação precisam de se manifestar.

  7. AGUILAR LIMA MOREIRA | 25 de maio de 2017 at 10:16 | Responder

    A PESSOA QUE ACUSA UM CRIME FALSO, DEVE SER RESPONSABILIZADA E PENALIZADA PELA MESMA FORMA DA LEI DO ACUSADO.

  8. Severino Andrade da Silva. | 25 de maio de 2017 at 10:50 | Responder

    E preciso ter muito cuidado, quando se acusa uma pessoal pelo um crime que tal vez não tenha cometido e, se tratando de estrupo, é muito grave, a pessoal que sendo acusada e se não for verdade, vai acabar com sua vida, as pessoas vão sempre olhar pra com desconfiança, isso é devastador pra ela.

  9. Ela merece duas prisões perpétuas uma após a outra!

  10. Ela tem que passar os 10anos presa, como ele inocente ficou😈

  11. ANTONIO BERNARDO KLEIN | 25 de maio de 2017 at 15:45 | Responder

    Por certo aqui no Brasil esteja ocorrendo condenações de inocentes, seria impossível a explosão numerosa deste tipo de crime como ocorre ultimamente.

  12. Ele podia dar uma surra nessa cadela, pra ela aprender, a não mentir.

  13. A pena devera ser igual, pra mulher que acusou injustamente.
    Infelizmente, isso nao apagará o estrago feito na vida do homem.

  14. As vezes o homem paga essa conta tão cara, por não saber se relacionar com pessõas do seu nível.

  15. Rapaziada, isso é um caso em um milhão (não que não deva ser tratado com seriedade e rigor na punição da falsa vítima); enquanto eu estava digitando essas linhas, uma mulher foi violentada no Brasil (1 a cada 11 minutos). Não podemos usar um caso isolado para generalizar, tampouco fomentar ódio.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*